quinta-feira, 19 de maio de 2011

Redes sociais são cada vez mais usadas, mas jornalistas ainda usam métodos tradicionais para encontrar fontes

Deu no Knight Center for Journalism in the Americas.


Redes sociais são cada vez mais usadas por jornalistas na busca de fontes e informações, diz estudo




Jornalistas de todo o mundo dependem cada vez mais de redes sociais como o Facebook e o Twitter para encontrar fontes e verificar informações, segundo a quarta edição do Estudo de Jornalismo Digital, informou a Oriella PR Network, que conduziu o levantamento internacional.
De acordo com a pesquisa, feita com 478 jornalistas de 15 países, entre eles Brasil e Estados Unidos, 40% dos profissionais usam o Twitter para encontrar fontes e 35%, o Facebook. No ano anterior, eram 33% e 25%, respectivamente.
No entanto, a maioria dos jornalistas ainda depende principalmente de métodos tradicionais para encontrar fontes, como destacou o jornal britânico The Guardian: 62% dos entrevistados recorrem a assessorias de imprensa e 59%, a representantes de empresas. Apenas 4% dos profissionais buscam antes as redes sociais.
Além disso, 55% disseram que os jornais para os quais trabalham mantêm um perfil no Twitter; 54%, blogs de jornalistas e 48%, vídeos.
As pressões pelo uso das redes sociais e pela produção de conteúdos multimídia explicam por que 45% dos entrevistados disseram produzir mais atualmente e 34%, trabalhar mais horas por dia do que um ano atrás.
“Com base no estudo, parece que a popularidade dos meios online está encobrindo a dos meios tradicionais. Pela primeira vez desde que o estudo começou a ser feito, a proporção de entrevistados que concordam com a idéia de que seus veículos 'offline' atraem um público maior caiu para menos de 50%”, explicou a Oriella PR Network em comunicado.
Para Tom Foremski, do site de tecnologia ZDNet, o mais interessante é ver a pesquisa "ao contrário": 53% dos jornalistas não usam o Twitter na apuração de matérias e 65% não usam o Facebook. “Isso mostraquão defasada está a maioria dos jornalistas no uso das muitas ferramentas de pesquisa e busca de fontes à disposição”, escreveu Foremski. “Está claro que os jornais e revistas, assim como o resto da indústria de mídia, precisam percorrer um longo caminho na transição para os modelos digitais”.
O estudo foi divulgado pouco tempo depois do lançamento de um guia com as melhores práticas no uso das mídias sociais, da Sociedade Americana de Editores de Notícias - criticado, porém, por sua "timidez" em relação à incorporação das redes sociais ao trabalho nas redações.

Um comentário:

llq disse...

this is soooooooooooooooooooooooo gorgeouswedding jackets