quarta-feira, 15 de outubro de 2008

Tiro no pé?

RUY CASTRO hoje na Folha.

De volta aos cafundós

Nelson Rodrigues dizia que, se todos conhecessem a intimidade sexual uns dos outros, ninguém cumprimentaria ninguém. Donde não é boa política que, numa campanha eleitoral, um candidato se sente em cima do próprio rabo e fale do rabo alheio.

O que vai dito acima não se refere à estratégia da candidatura de Marta Suplicy para desmerecer a de Gilberto Kassab pela Prefeitura de São Paulo, perguntando se ele é casado e tem filhos -mas a algo ainda mais imoral que está acontecendo no Rio: a distribuição de panfletos apócrifos e ofensivos ao candidato do PV à prefeitura carioca, Fernando Gabeira, acusando-o de homossexual, drogado e ateu.

É chocante que, nas duas maiores cidades brasileiras, no século 21, partidos que se pretendem modernos ressuscitem práticas que ficariam melhor em eleições nos cafundós e grotas da República Velha. No caso de São Paulo, é de se perguntar se os milhares de eleitores petistas também solteiros e sem filhos não se sentirão respingados pela malícia abjeta da pergunta que seu partido pôs no ar.

Como moro no Rio, não tive o desprazer de ouvir a gravação, mas, pelo que me contaram, pode-se perceber a lascívia escorrendo pela boca encharcada do locutor, misturada com o veneno. Seja como for, essa peça de campanha faz parte da propaganda oficial do PT. Sabe-se quem a criou e quem a autorizou.

No Rio, os panfletos são anônimos, embora sua assinatura esteja apenas oculta por elipse. Devem ser da mesma autoria de quem inoculou propaganda política a favor do candidato Eduardo Paes nos telões do Maracanã (que pertence ao Estado), no domingo último, ou de quem requisitou ao Secretário Estadual de Segurança a ficha policial de um militante de Gabeira. A carruagem ameaça reverter a abóbora antes da meia-noite.

4 comentários:

walking excavator disse...

yeah! its much better,

pc guimarães disse...

Thanks.

Mariana Carnevale disse...

Essas coisas me enojam. Mostram o quão presente esse ranço "curralento" está, não só nos "cafundós", mas aqui, nas "cidades grandes". Seja onde for - metrópole, interior, em qualquer pedaço de terra -, "ainda somos os mesmos e vivemos como nossos pais", avós, bisavós etc etc etc.

pc guimarães disse...

Here, there and everywhere (pra homenagear o gringo aí de cima)