quinta-feira, 17 de setembro de 2009

Prostitutas agradecem juiz. Qualquer semelhança é mera coincidência

As prostitutas estão soltas por aí. O juiz não é aquele.

Falar em prostituta, quando era estudante de Jornalismo assisti a uma palestra com o publicitário Ênio Mainardi, pai desse Diogo que anda por aí. O cara é um grande gozador. Em determinado momento da palestra disse que era "uma prostituta". "De classe". E argumentou:

"Eu era jornalista. Um dia, descobri que, como jornalista, eu era uma ´prostituta´. Vulgar. Então, decidi ser uma ´prostituta de classe´ e virei publicitário".

Nunca esqueci disso.

Mas uma coisa é ser "puta" por opção. Outra coisa é tratar a minha profissão como uma grande putaria.

Me desculpem os palavrões, mas anúncios como o publicado no post abaixo me irritam profundamente.

Vá fazer curso de Jornalismo por 40 pratas lá na p@#$%¨&*+

Quem mandou a foto foi meu camarada PV. Que não é prostituta. E sim um puta consultor econômico.

3 comentários:

Claudio Tostes disse...

Tá perdoado porque o assunto demanda a linguagem utilizada. Huahuahuahauhaua! Tô brincando, não tenho nada contra palavrões.
Abs!

pc guimarães disse...

:-)
É que fui educado na Sorbonne.

O Jornal Tresler e a Espiral do Silêncio disse...

Caramba !

Sou mineiro, rapaz de família...

"Como é isto? Como acontece que "o governo do povo" se torne em soberania do ouro? Por meio da imprensa. As escolas ensinam o povo a ler - e a imprensa faz o resto."
Will Durant explicando Oswald Spengler.

abraços